Pular para o conteúdo principal

Pensar Fora da Caixa



Cada um de nós vivemos em um mundo, um universo pessoal, um "infinito particular", como bem diz a Marisa Monte, e de quem pego emprestado essa expressão sempre que abordo esse tema. Para alguns, seu infinito particular são os pais, colegas de escola, vizinhos e amigos de infância. Para outros pode ser o trabalho, ou apenas a esposa, ou o marido e os filhos, ou o grupo religioso, ou qualquer outra coisa ou pessoa com a qual se tenha afinidade, se conviva diariamente e se tenha laços fortes. Todos nós temos nosso mundo, nossa caixa, nosso habitat onde crescemos, fincamos raízes e onde vivemos, e onde muitas vezes construímos nosso futuro.

Por melhor que seja a vida dentro desse mundo, algumas pessoas sabem que pensar fora da caixa pode ser algo muito gratificante. Ver por cima dos muros, conhecer gente além das nossas fronteiras internas, experimentar culturas diferentes, situações nunca antes pensadas. Essas são coisas que fazem bem, pois nos fazem enxergar que existem mundos diferentes dos nossos, e que às vezes há coisas boas em outras formas de ver a vida. Como muito bem disse a Pitty em sua musica Anacrônico, existe um "outro ciclo em diferentes fases vivendo de outra forma, com outros interesses, outras ambições mais fortes". Tanto porque ninguém é a mesma pessoa desde sempre. Todos nós mudamos nossa forma de pensar conforme o passar dos anos. Lembre quem era você há dez anos atrás. Muita coisa mudou em sua cabeça, não? Sabe por que? O mundo mudou nesse tempo. As informações mudaram, o padrão cultural mudou, as pessoas mudaram. Ou seja, conhecer outras formas de ver a vida é algo muito positivo para todos nós. Uma experiência que ninguém poderia deixar de tentar viver.

Mas nem sempre as pessoas pensam assim. Talvez pelo medo do desconhecido, pela insegurança de não saber o que vai encontrar na busca pelo diferente, essas pessoas se fecham em seus mundos e preferem evitar contato próximo com tudo que venha de fora. São pessoas que consideram bastante cômoda e feliz a vida dentro do próprio mundo em que vivem e preferem não buscar nada que não faça parte de seu infinito particular. Essas pessoas se bastam dentro de seus mundos e não veem qualquer necessidade de contato externo. Sendo assim essas pessoas irão repelir qualquer tentativa externa de aproximação, seja pelo desprezo, seja pela indiferença ou pela rejeição direta. Essas são pessoas que são sim, felizes e que tem sim grande chance de dar certo na vida e obter sucesso. Mas perdem por deixar de conhecer o diferente.

Sim, é importante manter laços, criar vínculos. Lógico que sim. Eu seria um louco e iria contra anos de estudos sociais se dissesse algo diferente disso. Todos nos precisamos de um chão firme, uma terra onde possamos retornar, pessoas confiáveis com quem podemos contar em todo o tempo. Todos nós precisamos do nosso "infinito particular". Ele é saudável e necessário. Mas é um grande erro se fechar nesse mundo. Uma das maiores virtudes humanas é saber que há vida inteligente fora da nossa caixa pessoal, e que muitas vezes, pelo medo do desconhecido, perder grandes oportunidades. Oportunidades para a vida toda.

Antes de se fechar em seu próprio mundo e se anunciar ou sinalizar como autossuficiente, reflita sobre o que você pode perder se deixar de conhecer o mundo externo. Não é abandonar suas raízes e desfazer seu mundo em nome de uma aventura desconhecida. É dar espaço para que outras pessoas e formas de pensar façam parte de seu mundo. Não é sair da caixa, é aumentar o tamanho dela. Como o próprio nome diz, seu "infinito" particular tem sim espaço pra muitas novas experiências.

É só prestar um pouco mais de atenção ao que há em volta. Ou não tão em volta assim, mas em algo ou alguém que tenta a todo custo se aproximar e você, talvez pelo medo do desconhecido, esteja afastando.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porque Comprei a Playboy da Nyvi Estephan | Lifestyle #15

Nunca fui leitor assíduo da Playboy e sequer me interessava por revistas do tipo. Mas não sou hipócrita nem pré-adolescente para ter que esconder que já comprei algumas edições da revista. Sempre gostei do conceito do nu artístico, do olhar fotográfico da delicadeza do feminino em sua integralidade - daí meu interesse pela fotografia sensual. E claro, sou homem hétero e algumas vezes a beleza da playmate me chamou a atenção, mas nunca precisei comprar Playboy pra "bater uma", se é isso que pensam. Até porque usar uma folha de papel pra saciar tesão é algo meio estranho... Mas enfim.
E, se a intenção de ler a revista era o nu artístico, as edições dos últimos anos deixavam muito a desejar. A revista servia simplesmente para dar visibilidade a pseudo-famosas ávidas por dinheiro fácil e rápido, além de alguns minutos de fama após o BBB ou algo do tipo. 
Mas aí a Playboy, depois que saiu das mãos da Editora Abril e passou para a PBB Editora, mudou totalmente sua imagem e deix…

A Minha Casa | Crônicas #65

Você fez aquela viagem que vinha programando há alguns meses. Tudo é empolgante. Desde o momento do embarque no avião até a chegada ao local onde você pretende ter dias incríveis. Conhece gente diferente, visita pontos turísticos, conhece a história do lugar, frequenta as melhores baladas e bares, almoça com amigos, anda pela cidade, sente a simpatia e a receptividade das pessoas do lugar. Faz fotos ótimas que te farão recordar da viagem por alguns bons anos, e a cada vez que olhar as fotos vai se recordar com detalhes do contexto que a envolveu. 
O que pode ser melhor que isso? Apenas a sensação de voltar pra casa. 
Ao chegar em sua cidade, parece que o ar muda. Você já está acostumado até com a temperatura e o cheiro de poluição. Relembra as mesmas dificuldades para conseguir um taxi e não estranha a falta de simpatia do motorista, que simplesmente destrava o porta malas e deixa que você se vire com sua bagagem enquanto responde alguém no Whats App. Pega o trânsito de sempre até su…

Eu Prometo

Ainda não te conheço. Não sei onde você mora, com quem mora, não sei da sua vida, seus costumes. Não sei sua fisionomia. Se é loira, morena, ruiva, cor natural ou com tintura, alta ou baixinha, magrinha ou gordinha, se faz o tipo "gostosa" ou não, se tem dentes perfeitos ou se ainda usa aparelho. Se tem o cabelo liso ou encaracolado. Não sei se seus lábios são pequenos ou grandes, se seus olhos são castanhos ou verdes, se seu rosto é oval ou quadrado. Não sei se tem personalidade forte ou se é maleável. Se gosta de ter sempre a última palavra em tudo ou se está sempre aberta a outras opiniões. Não sei o que você gosta de fazer aos domingos à tarde, nem nos sábados à noite. Não sei se você gosta de café fraco, bife malpassado, Nutella ou pipoca de micro-ondas. Não sei se já tem quase trinta ou se é acabou de completar 18. Não sei quem são seus amigos, se você é tímida como eu ou expansiva, se é popular ou passa despercebida, se gosta de baladas ou prefere comer pizza em casa…