Pular para o conteúdo principal

O Que é Liberdade?




Digamos que você está num talk show, tipo o do Pedro Bial (os outros nunca deixam o entrevistado falar muito), e ele lhe faça aquelas perguntas estilo “jogo rápido” antes dos comerciais, e uma das pergunta seja: “o que é liberdade?”. Você responde com um sorriso no rosto imaginando que a resposta seja fácil demais: “liberdade é fazer o que quiser, sem precisar dar satisfações a ninguém”. Ele sorri, gosta da resposta, e chama o intervalo comercial. 

Mas será que liberdade é isso mesmo? Aliás, será que essa liberdade existe? 

Se você trabalha você deve satisfações ao seu chefe / coordenador / supervisor, etc. Se “fizer o que quiser” na empresa você simplesmente será convidado a integrar o time dos que buscam recolocação profissional. 

Se você é casado você deve satisfações ao marido / esposa, se é que deseja ter um relacionamento saudável. Se “fizer o que quiser” ganhará um divórcio, as vezes litigioso e demorado. 

Se você é adolescente deve satisfações aos seus pais, que ainda respondem pelas bobagens que você fizer. Se “fizer o que quiser” pode perder a internet, a mesada e, dependendo dos pais que tiver, ainda ganhará umas boas bofetadas. 

Se você estuda deve satisfações aos seus professores, diretores, coordenadores. Se “fizer o que quiser” na escola simplesmente perderá o ano, isso se não for convidado a procurar outro local para estudar. 

E independentemente de qualquer uma das variáveis acima, você deve muitas satisfações àquele jovem esbelto, atraente para alguns, repugnante para outros, mas forte o suficiente para te imobilizar, tirar tudo o que é seu e te deixar sem nada, se ele quiser. Sabe quem é, né, aquele rapaz chamado Governo. Se “fizer o que quiser” com o Governo… Bom, nem precisa dizer o que acontece, né? 

Viu como é complicado falar em liberdade? 

Ninguém é totalmente livre no sentido de “fazer o que quiser”, porque ninguém faz o que quer o tempo todo. Sempre temos que dar satisfação a alguém, prestar conta do que fazemos. Por menos obrigações que uma pessoa tenha na vida, em algum momento do dia ela deve explicações a alguém sobre alguma coisa, por menor que seja. 

Então como se sentir livre mesmo em meio a um mundo onde sempre haverá alguém esperando uma explicação, uma prestação de contas sua? 

Liberdade é mais do que só fazer o que quiser. Liberdade é sentir-se livre, mesmo em meio a um mundo de obrigações e tarefas chatíssimas a se concluir no dia a dia. 

Liberdade é sentir-se livre emocionalmente. É amar, é querer bem, mas não depender de alguém para se sentir bem. Liberdade é a maturidade de saber que você continuará bem e inteiro, estando aquela pessoa ao seu lado ou não. 

Liberdade é saber que nem sempre se consegue agradar Montecchios e Capuletos e mesmo assim se sentir à vontade para seguir em frente, sem se importar com o que vão dizer. 

Liberdade não é um estado físico ou uma situação. Liberdade é um sentimento, um estado de espírito. É possível ser livre, mesmo não estando livre. Existem muitos livres em cadeiras de rodas e muitos aprisionados com as pernas perfeitas. Muitos livres sem religião e muitos aprisionados pela fé. Muitos livres nos hospitais em estado terminal, e muitos aprisionados gozando de ótima saúde pelas ruas. 

Liberdade é ter a mente leve e aberta. Ser livre é não se deixar dominar pelo medo ou pela culpa. Ser livre é estar pronto para a novidade. 

Liberdade é aceitar-se como é, com seu passado complicado, suas manias, medos e estranhezas. Ser livre é “tirar a máscara que cobre o seu rosto”, é ser você, “mesmo que seja estranho ou bizarro”, como diz a música. 

Liberdade é não depender da aprovação de outros para se sentir bem. É fazer coisas para si mesmo, se presentear, se elogiar, alimentar o ego. É querer-se bem antes que os outros queiram. 

Parafraseando a mestra Clarice Lispector, liberdade é “palavra doida, repetida aos montes por aí”. É difícil de entender, mas fácil de viver. 

Liberdade não é "estar" livre, é "ser" livre.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porque Comprei a Playboy da Nyvi Estephan | Lifestyle #15

Nunca fui leitor assíduo da Playboy e sequer me interessava por revistas do tipo. Mas não sou hipócrita nem pré-adolescente para ter que esconder que já comprei algumas edições da revista. Sempre gostei do conceito do nu artístico, do olhar fotográfico da delicadeza do feminino em sua integralidade - daí meu interesse pela fotografia sensual. E claro, sou homem hétero e algumas vezes a beleza da playmate me chamou a atenção, mas nunca precisei comprar Playboy pra "bater uma", se é isso que pensam. Até porque usar uma folha de papel pra saciar tesão é algo meio estranho... Mas enfim.
E, se a intenção de ler a revista era o nu artístico, as edições dos últimos anos deixavam muito a desejar. A revista servia simplesmente para dar visibilidade a pseudo-famosas ávidas por dinheiro fácil e rápido, além de alguns minutos de fama após o BBB ou algo do tipo. 
Mas aí a Playboy, depois que saiu das mãos da Editora Abril e passou para a PBB Editora, mudou totalmente sua imagem e deix…

A Minha Casa | Crônicas #65

Você fez aquela viagem que vinha programando há alguns meses. Tudo é empolgante. Desde o momento do embarque no avião até a chegada ao local onde você pretende ter dias incríveis. Conhece gente diferente, visita pontos turísticos, conhece a história do lugar, frequenta as melhores baladas e bares, almoça com amigos, anda pela cidade, sente a simpatia e a receptividade das pessoas do lugar. Faz fotos ótimas que te farão recordar da viagem por alguns bons anos, e a cada vez que olhar as fotos vai se recordar com detalhes do contexto que a envolveu. 
O que pode ser melhor que isso? Apenas a sensação de voltar pra casa. 
Ao chegar em sua cidade, parece que o ar muda. Você já está acostumado até com a temperatura e o cheiro de poluição. Relembra as mesmas dificuldades para conseguir um taxi e não estranha a falta de simpatia do motorista, que simplesmente destrava o porta malas e deixa que você se vire com sua bagagem enquanto responde alguém no Whats App. Pega o trânsito de sempre até su…

Eu Prometo

Ainda não te conheço. Não sei onde você mora, com quem mora, não sei da sua vida, seus costumes. Não sei sua fisionomia. Se é loira, morena, ruiva, cor natural ou com tintura, alta ou baixinha, magrinha ou gordinha, se faz o tipo "gostosa" ou não, se tem dentes perfeitos ou se ainda usa aparelho. Se tem o cabelo liso ou encaracolado. Não sei se seus lábios são pequenos ou grandes, se seus olhos são castanhos ou verdes, se seu rosto é oval ou quadrado. Não sei se tem personalidade forte ou se é maleável. Se gosta de ter sempre a última palavra em tudo ou se está sempre aberta a outras opiniões. Não sei o que você gosta de fazer aos domingos à tarde, nem nos sábados à noite. Não sei se você gosta de café fraco, bife malpassado, Nutella ou pipoca de micro-ondas. Não sei se já tem quase trinta ou se é acabou de completar 18. Não sei quem são seus amigos, se você é tímida como eu ou expansiva, se é popular ou passa despercebida, se gosta de baladas ou prefere comer pizza em casa…