Pular para o conteúdo principal

Igual a Todo Mundo




As pessoas fazem de tudo para serem diferentes. Mudam visual, adotam um novo estilo, aderem à tribos. Até mesmo os mais “comuns”, os “normaizinhos” batem no peito para exaltar as características, mesmo que poucas, que os difere dos outros. Querem se destacar da multidão. Querem ser vistos com outros olhos, de um jeito especial. Alguns, na tentativa de se destacar dos demais, passam a vociferar palavras de ódio contra uma “sociedade morna”, que “faz tudo igual”. Atacam o “comportamento de boiada” e dizem que só os que são diferentes é que tem sucesso na vida. Querem por toda maneira serem reconhecidos por não serem iguais aos demais. 

Eu não. Eu quero mesmo é ser igual a todo mundo. 

Quero me sentar na mesma mesa de bar que todo mundo senta para beber a mesma cerveja que todo mundo bebe nas sextas-feiras à noite, como todo mundo faz. Quero rir das mesmas piadas sem graça que todo mundo ri. Quero comer os mesmos petiscos que todo mundo come. Quero ver o filme que todo mundo mundo está vendo, no mesmo cinema em que todo mundo costuma ir. Quero ouvir a mesma música que todo mundo ouve, ou pelo menos saber que existe, caso não faça parte do meu gosto musical. Quero usar o estilo de roupa que todo mundo usa, cuidar do visual como todo mundo cuida. Quero fazer os mesmos passeios que todo mundo faz, comer o mesmo lanche de rua que todo mundo come, correr para pegar o ônibus como todo mundo faz e descer correndo a escada rolante para pegar o metrô que já está na plataforma, assim como todo mundo – ou como todo paulistano.

Assim como todo mundo, quero ser aceito do jeito que eu sou. Quero ter perto de mim pessoas para as quais não preciso disfarçar a voz, murchar a barriga, esconder a cicatriz do braço, mudar comportamento, mentir sobre minha posição social nem minha história. Quero pessoas que não me evitem por eu ter uma doença A ou B, por ter uma disfunção X, ou por não ter o tamanho e peso ideal. Assim como todo mundo, quero ter meu grupinho, minha “panelinha”, gente com quem eu possa ficar à vontade, com quem possa baixar a guarda, sem medo de julgamentos e comparações. 

Assim como todo mundo, quero que lembrem de mim. Que meu nome seja citado quando organizarem algo, que se eu não estiver presente me liguem pra avisar “vamos sair, vem com a gente?”, e mesmo se eu declinar insista com um “faz uma forcinha pra vir, vai ser legal”. Quero que minha companhia seja desejada por alguém. Quero que pensem “ele vai gostar disso” quando virem algo qualquer por aí. Quero que digam “ nossa, lembrei de você ontem”, ou “vi uma coisa que é a sua cara”. 

Assim como todo mundo, quero me sentir parte de algo. Me envolver em alguma ação. Ter um compromisso além do trabalho. Algo para me dedicar nas “horas vagas”. Algo mais sério que um hobbie. Quero ser útil em alguma coisa, e ser indispensável em algum lugar, sem o compromisso do cartão de ponto da empresa. Quero que me falem “você fez falta ontem” quando não puder ir. 

Assim como todo mundo, quero alguém para amar. Quero alguém com quem conversar coisas que não converso com o amigo, comentar sobre o cliente bizarro que atendi no trabalho, alguém que fique quando todos os outros se vão. Alguém que faça parte dos meus planos quando penso no meu futuro. Alguém para quem dar o kit de maquiagem que ganhei acidentalmente na promoção da loja, assim como o aconselhado pela atendente: “leva pra namorada”. 

Assim como todo mundo, quero ver as coisas de um jeito mais simples. Encarar a vida sem o peso que muitas vezes nos auto impomos. Quero não ter tantas regras de convivência, e assim ser mais livre para improvisar, marcar coisas fora de hora, experimentar o que nunca me havia permitido. Quero ter a leveza de viver que nos permite ir onde nunca pensaria em ir, falar sobre o que nunca falaria, conviver com quem eu não conviveria. 

Isso é carência? Se sim, assumo que, igual a todo mundo, sou carente. Talvez porque carência seja exatamente isso: essa necessidade inerente ao ser humano de ser igual a todo mundo. 

Diferente? Pra que? Eu quero mesmo é ser igual.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porque Comprei a Playboy da Nyvi Estephan | Lifestyle #15

Nunca fui leitor assíduo da Playboy e sequer me interessava por revistas do tipo. Mas não sou hipócrita nem pré-adolescente para ter que esconder que já comprei algumas edições da revista. Sempre gostei do conceito do nu artístico, do olhar fotográfico da delicadeza do feminino em sua integralidade - daí meu interesse pela fotografia sensual. E claro, sou homem hétero e algumas vezes a beleza da playmate me chamou a atenção, mas nunca precisei comprar Playboy pra "bater uma", se é isso que pensam. Até porque usar uma folha de papel pra saciar tesão é algo meio estranho... Mas enfim.
E, se a intenção de ler a revista era o nu artístico, as edições dos últimos anos deixavam muito a desejar. A revista servia simplesmente para dar visibilidade a pseudo-famosas ávidas por dinheiro fácil e rápido, além de alguns minutos de fama após o BBB ou algo do tipo. 
Mas aí a Playboy, depois que saiu das mãos da Editora Abril e passou para a PBB Editora, mudou totalmente sua imagem e deix…

A Minha Casa | Crônicas #65

Você fez aquela viagem que vinha programando há alguns meses. Tudo é empolgante. Desde o momento do embarque no avião até a chegada ao local onde você pretende ter dias incríveis. Conhece gente diferente, visita pontos turísticos, conhece a história do lugar, frequenta as melhores baladas e bares, almoça com amigos, anda pela cidade, sente a simpatia e a receptividade das pessoas do lugar. Faz fotos ótimas que te farão recordar da viagem por alguns bons anos, e a cada vez que olhar as fotos vai se recordar com detalhes do contexto que a envolveu. 
O que pode ser melhor que isso? Apenas a sensação de voltar pra casa. 
Ao chegar em sua cidade, parece que o ar muda. Você já está acostumado até com a temperatura e o cheiro de poluição. Relembra as mesmas dificuldades para conseguir um taxi e não estranha a falta de simpatia do motorista, que simplesmente destrava o porta malas e deixa que você se vire com sua bagagem enquanto responde alguém no Whats App. Pega o trânsito de sempre até su…

Eu Prometo

Ainda não te conheço. Não sei onde você mora, com quem mora, não sei da sua vida, seus costumes. Não sei sua fisionomia. Se é loira, morena, ruiva, cor natural ou com tintura, alta ou baixinha, magrinha ou gordinha, se faz o tipo "gostosa" ou não, se tem dentes perfeitos ou se ainda usa aparelho. Se tem o cabelo liso ou encaracolado. Não sei se seus lábios são pequenos ou grandes, se seus olhos são castanhos ou verdes, se seu rosto é oval ou quadrado. Não sei se tem personalidade forte ou se é maleável. Se gosta de ter sempre a última palavra em tudo ou se está sempre aberta a outras opiniões. Não sei o que você gosta de fazer aos domingos à tarde, nem nos sábados à noite. Não sei se você gosta de café fraco, bife malpassado, Nutella ou pipoca de micro-ondas. Não sei se já tem quase trinta ou se é acabou de completar 18. Não sei quem são seus amigos, se você é tímida como eu ou expansiva, se é popular ou passa despercebida, se gosta de baladas ou prefere comer pizza em casa…