Translate

#Opinião: Por que só na Copa?



Weslley Talaveira

Contrariando todas as expectativas, a Copa do Mundo no Brasil foi um sucesso - apesar de não termos o prometido trem-bala da Dilma, mas que não fez a menor falta. Estádios completamente prontos a tempo, por mais que falaram que não ficariam. Aeroportos funcionaram perfeitamente, transporte público à disposição, hospedagens dentro do esperado, serviços de turismo funcionando perfeitamente, estádios impecáveis, organização sem igual, o que fez com que vários frequentadores dissessem: foi uma das melhores Copas do mundo. O técnico holandês Van Gaal foi direto: a organização foi impecável, em todos os detalhes. A infraestrutura em torno dos estádios não ficou pronta a tempo, é verdade, mas nem deu pra perceber. O básico para a realização da Copa funcionou. Até mesmo o presidente da Fifa Joseph Blatter disse que essa foi a melhor copa em que ele já esteve. Tudo que dependeu do serviço público e do Governo funcionou perfeitamente, e fizemos bonito para o mundo. 

Nem parece que estamos falando do Brasil, né?

Por aqui estamos acostumados ao serviço público "mal e porcamente" feito. Serviços públicos de ducentésima categoria, servidores públicos mal humorados que parecem trabalhar amarrados a bolas de ferro apesar dos bons salários e a estabilidade que têm, hospitais que mais parecem matadouros, transporte público que parece carregamento de gado, escolas que parecem currais, burocracia burra para todo lado que se olha, políticos analfabetos com a responsabilidade de conduzir os rumos do país. No Brasil, tudo que é feito pelo poder público já vem com o carimbo de "mal feito". Todo brasileiro sabe disso. Para ser um pouco sensacionalista, poderia dizer que o serviço público no Brasil é um "lixo", salvo raríssimas exceções. Por isso compramos carro mesmo pagando pelo transporte público. Por isso contratamos convênios médicos mesmo pagando pela saúde pública. Por isso matriculamos nossos filhos em escolas particulares mesmo pagando pela manutenção das escolas públicas. No Brasil nos acostumamos a pagar duas vezes para ter um mínimo de conforto: pagamos a nossa obrigação para a manutenção do que é público, mas pagamos também "por fora", pois o público, que nós pagamos, não funciona como deveria funcionar, apesar de pagarmos por isso. What? 

Por que a competência e a organização que vimos na Copa do Mundo não funciona para o resto das coisas? 

A Copa do Mundo é a prova de que o serviço público podem sim ser de primeira qualidade. Quando há vontade política, gente competente no comando e parte da iniciativa privada trabalhando junto as coisas podem ser sim bem feitas. Nos países que consideramos "primeiro mundo", e que invejamos sempre, funciona assim. E por isso invejamos os países de primeiro mundo. Quem não tem vontade de ter um transporte público igual ao da Alemanha, que apesar de ser o país das principais montadoras de veículos, tem metrô à vontade e linhas de ônibus inteligentes que convergem e servem ao país inteiro? Quem não tem vontade de ter a educação pública da Suíça, que lidera qualquer ranking em níveis escolares? Por que isso não acontece sempre no Brasil? Falta de dinheiro? E o dinheiro investido na Copa veio de onde? Não veio dos mesmos bolsos que pagam por hospitais sem maca, ônibus destruídos e servidores públicos mal humorados? Por que não dar um "padrão Fifa" ao que temos aqui no nosso dia a dia? Por que não dar ao serviço público brasileiro o mesmo tratamento recebido pela Copa do Mundo? 

Dá sim, pra fazer bem feito. Há dinheiro e gente competente. Basta querer!
js.src = "//connect.facebook.net/en_US/sdk.js#xfbml=1&version=v2.0";