Pular para o conteúdo principal

Candace Vai Morrer

Candace voltava para casa depois de um dia bastante agradável com suas amigas. Dirigia seu conversível novo pela estrada estreita totalmente escura da noite sem lua enquanto ouvia "Epitáfio", com Titãs. Cantava alegremente "o acaso vai me proteger" quando percebeu que o carro ganhava muita velocidade e tentou usar o freio, cautelosa que era, mas não notou qualquer alteração na velocidade. O carro não obedeceu sua ordem e continuou a correr, cada vez mais rápido. Candace sentiu um fio de preocupação lhe correr a alma.

Sem entender como, o carro de Candace alcançou incríveis 200km/h, mesmo depois de a moça ter tirado o pé do acelerador. O freio não respondia seu comando, era como se fosse apenas uma alavanca comum sem utilidade. Candace tinha tentado até mesmo desligar o carro, para que ele perdesse velocidade e parasse em algum momento, mas misteriosamente o carro não desligava. Continuava a correr descontroladamente.

A noite a assustava. Não era possível ver nada ao redor, já que a única luz do local era a do seu carro. Não sabia se nas marginais havia um precipício, montanhas ou terra plana. Candace se convenceu de que algo muito estranho estava acontecendo: seu carro ganhara vida própria, e corria como se tentasse matar sua motorista.

Quando olhou para o lado, viu por um curto espaço de tempo, uma figura que ela não soube distinguir se era humana, sentada no banco do carona. Uma capa preta envolvia todo o corpo e rosto daquele ser, e deixava à vista apenas os olhos enormes que miravam Candace. Disse com voz grave: "você vai morrer". Ao olhar novamente Candace não viu mais nada, apenas o banco vazio de seu carro.

Os cabelos de Candace balançavam descontroladamente. Candace começou a gritar, chorar e buzinar desesperadamente, mas não havia ninguém ali para lhe socorrer, e mesmo que houvesse, parecia ser impossível fazer algo que a tirasse daquela situação. Mais uma vez ouviu a voz, agora sem ver nada: "você vai morrer".

Foi quando ela ouviu um barulho vindo ao longo, e viu uma luz distante vindo na direção contrária ao seu carro. Pelo som identificou ser um caminhão. Um caminhão enorme vinha em sua direção, e a estrada estreita eliminava qualquer possibilidade de desvio. Candace sabia que iria bater o carro naquele caminhão. Pensou apenas em seu marido, que ela já não lembrava mais onde estava. Quando o caminhão se aproximou, Candace apenas fechou os olhos com as mãos espalmadas sobre o rosto e deu um grito. Viu a luz do farol se aproximar de seu pequeno carro, que continuava a correr em direção à morte. Não prestou atenção no som descontrolado da buzina do pobre caminhoneiro, que talvez estivesse tentando avisar a mocinha do carro da frente que ele não teria tempo de frear e que ela iria bater. A luz ficou mais forte, mais forte. O carro de Candace batera de frente com o caminhao enorme, causando uma explosão ensurdecedora, e um incêndio instantâneo.

Ao sentir o impacto da batida, Candace acordou desesperada na cama de sua casa. Seu marido, que também também havia acordado assustado com o grito que a esposa dera, perguntou o que havia acontecido e apenas a acalmava, apoiando-a sobre seu corpo e acariciando seus cabelos. Candace percebeu que tudo não havia passado de um sonho. Ou melhor: um pesadelo.

Levantou-se para tomar um copo de água, esperou que sua respiração acalmasse e voltou a dormir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porque Comprei a Playboy da Nyvi Estephan | Lifestyle #15

Nunca fui leitor assíduo da Playboy e sequer me interessava por revistas do tipo. Mas não sou hipócrita nem pré-adolescente para ter que esconder que já comprei algumas edições da revista. Sempre gostei do conceito do nu artístico, do olhar fotográfico da delicadeza do feminino em sua integralidade - daí meu interesse pela fotografia sensual. E claro, sou homem hétero e algumas vezes a beleza da playmate me chamou a atenção, mas nunca precisei comprar Playboy pra "bater uma", se é isso que pensam. Até porque usar uma folha de papel pra saciar tesão é algo meio estranho... Mas enfim.
E, se a intenção de ler a revista era o nu artístico, as edições dos últimos anos deixavam muito a desejar. A revista servia simplesmente para dar visibilidade a pseudo-famosas ávidas por dinheiro fácil e rápido, além de alguns minutos de fama após o BBB ou algo do tipo. 
Mas aí a Playboy, depois que saiu das mãos da Editora Abril e passou para a PBB Editora, mudou totalmente sua imagem e deix…

A Minha Casa | Crônicas #65

Você fez aquela viagem que vinha programando há alguns meses. Tudo é empolgante. Desde o momento do embarque no avião até a chegada ao local onde você pretende ter dias incríveis. Conhece gente diferente, visita pontos turísticos, conhece a história do lugar, frequenta as melhores baladas e bares, almoça com amigos, anda pela cidade, sente a simpatia e a receptividade das pessoas do lugar. Faz fotos ótimas que te farão recordar da viagem por alguns bons anos, e a cada vez que olhar as fotos vai se recordar com detalhes do contexto que a envolveu. 
O que pode ser melhor que isso? Apenas a sensação de voltar pra casa. 
Ao chegar em sua cidade, parece que o ar muda. Você já está acostumado até com a temperatura e o cheiro de poluição. Relembra as mesmas dificuldades para conseguir um taxi e não estranha a falta de simpatia do motorista, que simplesmente destrava o porta malas e deixa que você se vire com sua bagagem enquanto responde alguém no Whats App. Pega o trânsito de sempre até su…

Eu Prometo

Ainda não te conheço. Não sei onde você mora, com quem mora, não sei da sua vida, seus costumes. Não sei sua fisionomia. Se é loira, morena, ruiva, cor natural ou com tintura, alta ou baixinha, magrinha ou gordinha, se faz o tipo "gostosa" ou não, se tem dentes perfeitos ou se ainda usa aparelho. Se tem o cabelo liso ou encaracolado. Não sei se seus lábios são pequenos ou grandes, se seus olhos são castanhos ou verdes, se seu rosto é oval ou quadrado. Não sei se tem personalidade forte ou se é maleável. Se gosta de ter sempre a última palavra em tudo ou se está sempre aberta a outras opiniões. Não sei o que você gosta de fazer aos domingos à tarde, nem nos sábados à noite. Não sei se você gosta de café fraco, bife malpassado, Nutella ou pipoca de micro-ondas. Não sei se já tem quase trinta ou se é acabou de completar 18. Não sei quem são seus amigos, se você é tímida como eu ou expansiva, se é popular ou passa despercebida, se gosta de baladas ou prefere comer pizza em casa…