Pular para o conteúdo principal

Renata Quer Voltar


Renata mudou muito desde sua adolescência.

Da menina bobinha que vivia amedrontada em igrejas, ela se tornara uma mulher articulada, inteligente, cabeça aberta e sempre pronta para o diálogo.

Quando de seus 14, 15 anos, Renata desejou por várias vezes entender certas imposições que sua religião lhe fazia. Certas coisas que todos aceitavam de bom grado eram para ela verdadeiros absurdos. Como podia uma comunidade de pessoas quietas, aceitando tudo que lhes era imposto, sem sequer perguntar o por que? Mas Renata também não perguntava, pois se ao menos ousava questionar era taxada de baderneira, rebelde, herege, filha do diabo, e outros nomes típicos dos ambientes religiosos. Ela achava curioso que sua comunidade religiosa pregava absurdos e tomava o cuidado de criar sistemas de lavagem cerebral, impedindo que qualquer pessoa viesse questionar o que era falado nos microfones. Coisas como "não falem mal dos pregadores", "não duvidem da mensagem de Deus", "quem duvida do que eu falo duvida de Deus", "quem duvida é filho do diabo" e outros eram os argumentos que esses líderes usavam para vomitar suas ideias malucas e serem aceitos sem qualquer probema maior.

Renata queria sair disso, viver de forma livre, queria pensar pela sua própria cabeça. Achava que a vida em liberdade seria a melhor forma de viver. Queria sair, mas não conseguia. Pela pressão da família, falta de certeza se estaria memso fazendo a coisa certa ao sair. Mas Renata não conseguia sair por um motivo especial: aquele era o ambiente dela. Boa parte dos compromissos que ela tinha que honrar estavam lá. A maioria parte das pessoas com quem ela tinha amizade estavam lá dentro (já que a igreja proibia fazer amizade com pessoas que não fossem da mesma religião). Aquele era o universo de Renata. Sair daquilo significaria uma mudança brusca, ter de aprender a viver um novo estilo de vida, uma nova forma de organizar suas ideias, e o principal: novas pessoas, novos compromissos, um novo mundo.

Um dia Renata tomou coragem e saiu. Virou as costas para a religião e decidiu viver de forma inteligente, onde ela tivesse a liberdade de receber informação de onde quisesse e formar sua própria opinião a partir do que ela considerava certo, sem a imposição de um líder espiritual. Agora Renata não tinha mais medo de questionar, pois sabia que suas perguntas não levariam a algum inferno. Aliás, ela duvidava até da existência desse tal inferno que os religiosos gostam tanto de citar. Renata podia pensar com sua própria cabeça. Podia ler o que quisesse, fazer o que quisesse. Do medo que a religião impõe às pessoas ela estava livre. Aparentemente, essa seria a vida perfeita.

Mas as coisas não correram tão bem para Renata como ela imaginava que aconteceria. As pessoas com quem ela convivia antes passaram a ignorá-la. Os que antes se diziam amigos agora a chamavam de "herege", "desviada". Quem sempre a abraçava agora passava pelo outro lado da rua. Mas Renata conseguiu lidar bem com isso. Sabia que a religião faria com que as pessoas a vissem como uma desertora. Mas o grande problema de Renata foi outro: ela tinha saído de um universo, mas não encontrou outro para entrar.

Renata deixou um modo de vida, mas não sabia o que fazer agora. O excesso de liberdade era pra ela algo difícil de assimilar. Renata não sabia como viver de forma livre. Estava entrando num mundo desconhecido, e não sabia se virar nele. Se sentia um viajante sem mapa numa cidade desconhecida. Não sabia que rumo tomar, a quem recorrer, o que fazer. Agora Renata era uma pessoa livre que não sabia para onde ir. Era uma pessoa inteligente que não tinha onde ficar.

Renata entrou num mundo de pessoas diferentes de tudo o que ela conhecia. Não sabia se relacionar com pessoas que cresceram livres da imposição religiosa a que ela esteve exposta. Pra piorar, Renata descobriu que o mundo das ideias livres nem sempre é acolhedor. Ela descobriu uma característica humana que não sabia existir: as pessoas não se importam nem um pouco com quem acabou de chegar. Nesse mundo onde as pessoas pensam sem culpa, onde vivem de acordo com suas conveniências os novatos sempre serão tratados como o "estranho, que não conhece nossos hábitos".

Foi quando passou pela cabeça dela uma ideia que ela nunca imaginou um dia ter: ela quis voltar. Apesar de toda a repressão com que teve de lidar durante seu crescimento, Renata sentiu falta de ter um ambiente. Sentiu saudades do tempo em que tinha a quem cumprimentar, com quem conversar, do que reclamar, com quem se preocupar.

Não, ela ainda não sabe o que vai fazer, se volta ou se fica. Voltar é uma possibilidade remota, mas para ela a adaptação ao "novo mundo" tem sido cada vez mais difícil. 

Renata descobriu que mudar pode ser mais difícil do que se imagina.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Porque Comprei a Playboy da Nyvi Estephan | Lifestyle #15

Nunca fui leitor assíduo da Playboy e sequer me interessava por revistas do tipo. Mas não sou hipócrita nem pré-adolescente para ter que esconder que já comprei algumas edições da revista. Sempre gostei do conceito do nu artístico, do olhar fotográfico da delicadeza do feminino em sua integralidade - daí meu interesse pela fotografia sensual. E claro, sou homem hétero e algumas vezes a beleza da playmate me chamou a atenção, mas nunca precisei comprar Playboy pra "bater uma", se é isso que pensam. Até porque usar uma folha de papel pra saciar tesão é algo meio estranho... Mas enfim.
E, se a intenção de ler a revista era o nu artístico, as edições dos últimos anos deixavam muito a desejar. A revista servia simplesmente para dar visibilidade a pseudo-famosas ávidas por dinheiro fácil e rápido, além de alguns minutos de fama após o BBB ou algo do tipo. 
Mas aí a Playboy, depois que saiu das mãos da Editora Abril e passou para a PBB Editora, mudou totalmente sua imagem e deix…

A Minha Casa | Crônicas #65

Você fez aquela viagem que vinha programando há alguns meses. Tudo é empolgante. Desde o momento do embarque no avião até a chegada ao local onde você pretende ter dias incríveis. Conhece gente diferente, visita pontos turísticos, conhece a história do lugar, frequenta as melhores baladas e bares, almoça com amigos, anda pela cidade, sente a simpatia e a receptividade das pessoas do lugar. Faz fotos ótimas que te farão recordar da viagem por alguns bons anos, e a cada vez que olhar as fotos vai se recordar com detalhes do contexto que a envolveu. 
O que pode ser melhor que isso? Apenas a sensação de voltar pra casa. 
Ao chegar em sua cidade, parece que o ar muda. Você já está acostumado até com a temperatura e o cheiro de poluição. Relembra as mesmas dificuldades para conseguir um taxi e não estranha a falta de simpatia do motorista, que simplesmente destrava o porta malas e deixa que você se vire com sua bagagem enquanto responde alguém no Whats App. Pega o trânsito de sempre até su…

Eu Prometo

Ainda não te conheço. Não sei onde você mora, com quem mora, não sei da sua vida, seus costumes. Não sei sua fisionomia. Se é loira, morena, ruiva, cor natural ou com tintura, alta ou baixinha, magrinha ou gordinha, se faz o tipo "gostosa" ou não, se tem dentes perfeitos ou se ainda usa aparelho. Se tem o cabelo liso ou encaracolado. Não sei se seus lábios são pequenos ou grandes, se seus olhos são castanhos ou verdes, se seu rosto é oval ou quadrado. Não sei se tem personalidade forte ou se é maleável. Se gosta de ter sempre a última palavra em tudo ou se está sempre aberta a outras opiniões. Não sei o que você gosta de fazer aos domingos à tarde, nem nos sábados à noite. Não sei se você gosta de café fraco, bife malpassado, Nutella ou pipoca de micro-ondas. Não sei se já tem quase trinta ou se é acabou de completar 18. Não sei quem são seus amigos, se você é tímida como eu ou expansiva, se é popular ou passa despercebida, se gosta de baladas ou prefere comer pizza em casa…